fbpx

Abril 2, 2019by filipa moura

Google recusa acabar com app que controla mulheres na Arábia Saudita

A Google afirma que aplicação não viola os termos e condições da empresa após um pedido de encerramento feito por deputados norte-americanos.

 

A Google diz que não vai remover a aplicação Absher da sua loja online após uma denúncia feita por deputados norte-americanos. A aplicação móvel foi criada em 2012 pelo ministério do interior da Arábia Saudita e permite aos homens controlar as suas esposas quando estas abandonam o território saudita. A Absher tem cerca de 11,6 milhões de utilizadores naquele país e também está disponível na App Store da Apple, que ainda não se pronunciou acerca do assunto.

A democrata californiana Jackie Speier e outros 13 deputados – incluindo a somali Ilhan Omar e a palestiniana Rashida Tlaib – assinaram uma carta, enviada aos directores executivos da Google e da Apple, a pedir a remoção da aplicação, mas segundo a Business Insider, apenas Jackie Speier foi informada da posição da Google: a app não viola os termos e condições da empresa.

Tanto a Apple como a Google foram prontamente acusadas de “misoginia arcaica” e de potenciar o “apartheid de género” – expressão utilizada por Yasmine Mohammed, uma escritora e activista natural da Arábia Saudita agora sediada no Canadá. Por exemplo, quando uma mulher está a deixar solo saudita e utiliza o seu passaporte, o seu marido, como seu “responsável”, é notificado automaticamente, via SMS, pela própria aplicação Absher.

Para além de os homens poderem transmitir ao Governo que autorizam que as suas mulheres, filhos menores e empregados domésticos possam abandonar o país, a Absher diz que permite a “todos os membros da sociedade” aceder a mais de 160 serviços. Renovação de documentos de identificação, passaporte, vistos de autorização de residência ou negociação e movimentações bancárias são algumas das funções oferecidas na aplicação, que é utilizada por dois milhões de mulheres, de acordo com o gestor da aplicação, Atiyah al Anazy.

A aplicação tem um suplemento que permite definir quantas viagens uma mulher árabe pode fazer e a sua respectiva duração

As mulheres na Arábia Saudita já são livres de obter a carta de condução, trabalhar e estudar. No entanto, continuam a ter restrições ao nível do vestuário e são os seus “responsáveis” que controlam o seu património.

O PÚBLICO contactou ao final da tarde desta segunda-feira representantes da Google em Portugal para tentar obter detalhes sobre a posição da empresa, mas não recebeu resposta.

 

 

Escrito por:  Francisco Correia 4 de Março de 2019, 23:14
Texto e fotos retirados: Público