fbpx

Julho 26, 2019by filipa moura

Vamos aumentar as suas vendas online?

Dar a possibilidade aos seus clientes de comprarem os seus produtos online, é sem dúvida uma excelente mais-valia, quer para si enquanto empresa, quer para os seus clientes.

 

Hoje em dia a internet é um mundo que os consumidores recorrem com bastante frequência, quer para estarem a par da atualidade a nível da impressa, quer para satisfazerem as curiosidades de cada um. Foi-se tornado um hábito que gradualmente foi adquirindo um modo de estar e de vida.

Vou mostrar-lhe alguns números que farão todo o sentido para que possa ter uma noção mais real do poder das vendas online.

 

 

Segundo o PORDATA, temos cerca de 10 291 027 milhões de residentes em Portugal, aqui estão contabilizados a população estrangeira, no ano transacto de 2018.

Agora vou pegar neste número e confrontá-lo com o número de utilizadores que recorrem à internet, então vejamos, temos cerca de 8 milhões de utilizadores, desses 8 milhões, cerca de 7,13 utilizam telemóvel para navegar, convém ainda referir que cerca de 85% dos utilizadores vão à internet todos os dias e apenas 1% utiliza a internet menos de uma vez por mês. Em média, cada utilizador passa 6h30 na Internet, sendo 2h09 das mesmas passadas nas redes sociais.

Convém ainda reforçar que, 75% da população tem acesso à internet e usa-a para pesquisar produtos e serviços. Um número que tem aumentado ano após ano.

De forma a reforçar mais esta ideia, peço-lhe que leia este artigo.

 

Estamos perante uma nova sociedade, a e-sociedade!

Assim, faz todo o sentido ter a sua empresa de pedra e cal no mundo onde todos estamos, só assim, consegue implementar uma estratégia credível e sustentada para poder aumentar o número de clientes e por conseguinte as suas vendas.

Estou a falar-lhe do termo, e-commerce.

 

 

Mas afinal o que é o e-commerce?

 

Representa todas as ações que fazermos online, no caso específico do “e-commerce”, trata-se da possibilidade de fazermos compras online, não apenas de produtos como também de serviços.

Ter uma loja online significa ter o seu negócio aberto ao público 24 horas por dia, 356 dias do ano em qualquer momento ou lugar.

Enquanto que nas lojas físicas existe a necessidade de ter loja aberta, ter cuidado com a apresentação dos produtos, da montra, manter a loja limpa e arrumada, para além das demais burocracias, numa loja online, o mais importante é otimizar a loja para o público-alvo.

 

Muitas empresas optam por não ter um e-commerce e preferem os chamados MarketPlaces, muitas vezes por uma questão de redução de custos, é claro que ter um espaço virtual para vender os seus produtos, não é nem de longe nem de perto, tão caro como ter um espaço físico, onde os encargos são outros. Grosso modo essa tomada de decisão é sempre originada pela redução de custos.

Nesse caso, vou ser o mais clara possível, explicando até onde a redução de custos em determinadas opções que tomamos, podem a médio ou longo-prazo serem contraproducentes e na larga maioria dos casos, deitarem por terra a sua estratégia para aumentar o seu número de vendas.

 

 

Afinal o que são os, MarketPlaces?

 

O marketplace trata-se de uma plataforma virtual onde temos acesso a uma variedade de produtos, é como se fosse um centro comercial online, onde tem vários produtos, marcas, preços e promoções, tudo no mesmo espaço. Isto na ótica do utilizador é cómodo, simples e consoante a marca/nome da plataforma, é seguro.

Agora o que lhe peço é que se coloque na sua perspectiva de empreendedor, empresário e vendedor da sua marca. Será assim tão positivo? Para ser o mais transparente possível vou enumerar-lhe aspetos positivos e negativos de aderir a uma plataforma deste tipo, enquanto empresário.

 

 

Aspetos positivos de aderir aos marketplaces

 

 

Visibilidade da sua marca

É uma forma simples e mais barata para dar a conhecer a sua marca, os seus produtos. Se aderir a uma plataforma com milhões de visitantes diariamente, reverta este número para a possibilidade que tem de dar a conhecer o seu produto, a sua marca, acaba por ser publicidade “gratuita”.

 

Potencia o aumento das suas vendas

De facto, esta vantagem é um dos fortes deste tipo de plataformas, a par da visibilidade que dão aos produtos que vendem, potencia o aumento da venda dos mesmos, é um raciocínio simples de fazer. Se tem a sua marca exposta a milhões de visitantes diariamente, tem fortes probabilidades de vender, e vender mais.

 

SEO

Por norma estes tipos de plataformas investem bastante em anúncios para estarem presentes na primeira página dos motores de busca, em Portugal, temos como referência o Google. A sua marca, como há pouco já tive oportunidade de referir, tem fortes probabilidades de ser vista várias vezes por dia, assim, caso tenha um e-commerce (loja online) seu, este irá lucrar com o SEO “gratuito”. Porquê? É muito simples, os usuários da plataforma onde tem os seus produtos, que tenham interesse em adquirir algum ou alguns, podem certamente querer saber mais sobre os mesmos, ao irem dar com o seu e-commerce, uma, duas, três, milhentas vezes, contribuem para o ranking do seu e-commerce no google. Assim, aproveita indiretamente do SEO “gratuito”.

 

 

Aspetos negativos de aderir aos marketplaces

 

Concorrência desleal

A sua marca ainda está há sensivelmente pouco tempo no mercado, é pouco conhecida. Agora imagine os seus produtos a serem comparados com produtos similares e cujas marcas já estão numa fase mais cimentada que a sua, está a expor o ponto mais sensível da sua marca. Pode utilizar como estratégia, como colocar um preço abaixo da concorrência, mas aqui não é você que gere, ou melhor, não tem autonomia a 100%, o que prejudica estratégias futuras que possa querer colocar em prática. Dou-lhe um exemplo, imagine que quer saber a faixa etária e a zona geográfica onde vende mais, para poder criar uma estratégia com a finalidade de enraizar a sua marca numa determinada zona do país e ter noção do tipo de população que adere com mais frequência aos seus produtos; neste tipo de plataformas, não tem acesso a nenhuma informação, ou seja, não gere o seu negócio.

 

Custo vs lucro

A percentagem da venda de cada produto pode não ser favorável para si a médio e longo prazo, a nível de investimento inicial é de certo muito mais apelativo, do que por exemplo recorrer a uma empresa para fazer o seu e-commece, mas será que é o melhor caminho?

 

Falta de autonomia

Como ainda há pouco disse acima, não tem acesso aos compradores dos seus produtos. Para si enquanto empreendedor, esta informação é extremamente útil. Não só para criar estratégias, como também para ter uma noção real da adesão dos seus produtos, até mesmo para pode segmentar o mercado.

No fundo não gere o seu negócio num Marketplace, este apenas serve como canal de divulgação da sua marca.

A par da falta de autonomia o que se torna ainda mais desvantajoso e desleal para si é que este tipo de plataforma facilita o processo de venda ao empresário, mas atenção, este não é de longe nem de perto, o seu objetivo final. Este passa pelo interesse das grandes empresas em terem acesso a informação valiosa sobre novos produtos, sobre as tendências do mercado atual, sobre o que levam os clientes a adquirir determinado produto, em suma, analisam e estudam o potencial de negócio dos vários produtos, para terem uma noção se devem reduzi-los ou onde os podem melhorar.

A informação que lhe é interdita a si, enquanto detentor da sua marca, é partilhada com um tipo de concorrência que não consegue alcançar.

 

 

E um e-commerce! É a solução?

 

Para ser a mais sincera e clara, a resposta certa é ter o melhor dos dois mundos. Ou seja, opte pelo marketplace, para testar o dar a conhecer os seus produtos e paralelamente a isso, tenha o seu e-commerce criado por uma empresa que lhe dê melhores condições e cujo portefólio lhe dê segurança para avançar, lembre-se, se quer mostrar profissionalismo aos seus clientes o seu e-commerce deve ser um complemento desse lema.

Pode estar a pensar que é um investimento que não sabe se terá retorno, nesse caso, se ainda está a testar a sua marca, recorra a um Marketplace, agora quando começar a ter vendas que o justifiquem, invista num e-commerce profissional.

Quando pretende ser empreendedor é um passo consciente que está a dar, mas lembre-se que riscos corre sempre, por isso nesse caminho, deve ponderar bem sempre os passos e as ruas percorre e o risco é o seu companheiro nessa caminhada.

 

Escrito por: Filipa Moura - Global_Mind